Meu perfil
BRASIL, Nordeste, Mulher


.: Arquivos :.

- 10/08/2008 a 16/08/2008
- 29/06/2008 a 05/07/2008
- 04/05/2008 a 10/05/2008
- 17/02/2008 a 23/02/2008
- 23/12/2007 a 29/12/2007
- 02/12/2007 a 08/12/2007
- 19/08/2007 a 25/08/2007
- 05/08/2007 a 11/08/2007
- 08/07/2007 a 14/07/2007
- 01/07/2007 a 07/07/2007
- 17/06/2007 a 23/06/2007
- 13/05/2007 a 19/05/2007
- 08/04/2007 a 14/04/2007
- 10/09/2006 a 16/09/2006
- 22/01/2006 a 28/01/2006
- 15/01/2006 a 21/01/2006
- 25/12/2005 a 31/12/2005
- 04/12/2005 a 10/12/2005
- 02/10/2005 a 08/10/2005
- 25/09/2005 a 01/10/2005
- 11/09/2005 a 17/09/2005
- 28/08/2005 a 03/09/2005
- 07/08/2005 a 13/08/2005
- 31/07/2005 a 06/08/2005
- 17/07/2005 a 23/07/2005
- 03/07/2005 a 09/07/2005
- 12/06/2005 a 18/06/2005
- 05/06/2005 a 11/06/2005
- 15/05/2005 a 21/05/2005
- 01/05/2005 a 07/05/2005
- 24/04/2005 a 30/04/2005
- 10/04/2005 a 16/04/2005
- 03/04/2005 a 09/04/2005
- 20/03/2005 a 26/03/2005
- 13/03/2005 a 19/03/2005
- 06/03/2005 a 12/03/2005
- 27/02/2005 a 05/03/2005
- 20/02/2005 a 26/02/2005
- 30/01/2005 a 05/02/2005
- 23/01/2005 a 29/01/2005
- 16/01/2005 a 22/01/2005
- 09/01/2005 a 15/01/2005
- 02/01/2005 a 08/01/2005



.: Outros sites :.

- Valeria Oliveira
- Poesia de Gilmar Leite
- Zé Martins - Novo ciclo
- lama fértil
- Diários da ruína - Mario Rasec
- Mario Cesar Rasec
- Khrystal
- Simona Talma
- Titina Medeiros
- Luiz Gadelha
- Ângela Castro
- Hilca Honorato
- Rosa de Pedra
- Blog de Letto
- Blog Para Não ficar LoUcO
- ELEGIA E SEUS AFLUENTES - MY SPACE
- Compulsão Por Escrever - Adélia Danielli


.: Votação :.

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


.: Visitantes :.

.: Créditos :.

Dream Melody Layouts
template by cecis




.....

 

Para quê caminhos longos

 

se sem atalhos já sei o que enfim perdura?

 

Para quê trilhar árduos desertos

 

se a miragem mais bela é o meu coração que fulgura? ...

 

Pergunto aos céus e as estrelas me respondem :

 

 

“--   para onde vais? O que procuras?

 

Será o devaneio de uma noite escura?

 

Ou a calmaria que em teu peito há de nascer

 

quando desceres deste trono de lamurias

 

e enfim vieres me conhecer.

 

Se brilho tanto algum motivo há de ter,

 

nada é vão neste universo,

 

teus olhos reluzindo é que te peço,

 

até que absorvas

 

a luz que te dedico enquanto me observas.

 

Já mereci versos,

 

conheço os pedidos dos reis e dos mendigos,

 

não é em vão porque brilho,

 

não é em vão que a toda noite te digo humildemente:

 

na beira do abismo há sempre

 

uma semente querendo chão,

 

querendo lua, para que a vida tua possa florescer,

 

não é em vão porque brilho,

 

sempre um grande motivo há de ter. “ 

 

...

 

Sinto quando sinto o universo

 

que passeia uma beleza inexplicável

 

é como olhar para o invisível e entender

 

a sutileza que não podemos compreender.

 

 

Drika Duarte 



- Enviado por: Drika Duarte às 21h33
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 

DEVANEIOS SOBRE O TEMPO I

 

Por vezes meu peito ferve, e me retenho para não extravasar um olhar a mais a procura da vida que baila nos silêncios, na palavra não dita, no beijo aguardado, na luz dissipada de um peito que transborda... E piso como quem pisa em diamantes preciosos e frágeis, uma pérola de cristal, um verso de vida e arte, esquecido do brilho que mantém o raio faiscante que encanta e alumia, soberano e doce, calado e árduo; agridoce, misteriosamente translúcido pelas lentes dos olhos meus que decifraram a esfinge e guardaram o segredo em um baú trancado pela eternidade. E pelo tempo que anula e oferece a capacidade de compreender que ele, hoje, é para isso e não aquilo.

O tempo hoje é de colher o que foi plantado e de plantar a colheita futura. E ele é sábio,  conhecedor da necessidade de amadurecer as coisas antes de pô-las na mesa, para que o fruto possa exalar, com propriedade, o gosto nobre da criação. Arrancá-lo antecipadamente da árvore é matar em nós o sabor doce que ele nos ofereceria se esperássemos o momento certo, a época certa, o dia certo, a hora certa.

Depois da tempestade, o sol glorioso e forte canta ao meu ouvido as cores que abrem o coração para o novo tempo que, de tão louco, é dono de uma lucidez que a nossa vã ignorância não consegue ainda alcançar...

 

 

DEVANEIOS SOBRE O TEMPO II

 

A vida não espera...

Incansável pulsa o coração que anuncia a melodia do espírito. Quem cansa somos nós, quem morre somos nós, mas o tempo continua... Somos os olhos dele, somos os beijos dele, somos a lua dele, somos as mãos do tempo dele, somos a música com que ele anuncia um novo tempo.

É preciso, apenas, esquecer e continuar mais um passo adentro no tempo que me dá a certeza de ser criança, e minha alma pueril vive a brincar com ele só para sentir mais uma vez essa carícia sagrada e eterna que é a mão do tempo nos colocando ao colo em um aconchegante manto; embalando-nos; embalando-nos e dizendo : tudo passa, tudo segue, é só um passo a mais para a eternidade; olhe para trás e verás  o quão miúda foi a tua vida; olhe para frente e sinta o horizonte infinito chamando-te para desvendar um caminho que não cabe nos teus olhos, o que passou não é nada frente ao que estar por vir. E a felicidade é para além, é acreditar no porvir...

E o que fazer quando o porvir nos chama, senão aperfeiçoar a beleza do caminho...

O tempo de tão louco é dono de uma lucidez que a nossa vã ignorância não consegue ainda alcançar... 



- Enviado por: Drika Duarte às 15h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 

Germinação

 

 

Abro-me em espinho, porque no meu peito florescem rosas. E sirvo-me dos espirais pontiagudos, para proteger a delicadeza que me transborda. São escudos a velar minha inocência, pois nesta terra olhar cegamente para tudo é suicídio. Não tenho talento para definhar, por isso me fiz samurai da minha bem aventurança. Sou guerreira e o meu escudo pontiagudo também é veludo e doce, sabe como defender sem precisar atacar, sem ter de recuar, apenas livra-se-me dos golpes mundanos, que de tão precários tentam, ainda, insistir na própria submissão.

Caminho olhando as pedras e sentindo estrelas, no caminho tortuoso, não sou o que piso; sou o que ouso, sou o que abstraio, sou o que levo. E levo comigo segredos suaves, de uma textura agradável e serena, que rebrilha na face de quem toca, que é luz no sonho de quem chora, que é vida no berço de quem ama. Nesta passageira empreitada, não basta-me ser passageiro, tenho que servir como operário, tenho que colocar as mãos na obra, tenho que gritar o que aprisiona o medo, tenho que lutar a luta perfeita, tenho que unir, porque sozinha sou fraca, e meus braços ainda não alcançam o universo, quero entoar um grito unificado de milhares vozes solfejando a alma numa mesma música, uma melodia universal,

que acalenta, perdura e ressoa na freqüência que liberta o aprisionamento. Neste plano ainda é humano minha solicitude, meu reencontro com o que me jaz... Seguirei angariando mãos para me acompanhar, seguirei acreditando no sol que ainda vai raiar; na lua esplendorosa que nos alumiará. O céu mostra-se em todo lugar, através dele a beleza  revelará o arco-íris que nos encantará com um mesmo sonho, um fim que  no fim do verso, ao invés de ouro, é a elevação, um canto demasiado terra, considerado vento, ternura de apaziguamento refletindo o que em nós é coloração, branco, brando, esperanto e germinação...



- Enviado por: Drika Duarte às 20h23
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





"Não é só reclamar é também buscar, 
negar o imposto e substituir pelo melhor que já está sendo posto…"
          
                                                                                                         Tatiana Cobbett      

http://www.sonoraparceria.com.br 



- Enviado por: Drika Duarte às 02h10
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





Pretenções Serenas

Eu o vejo tão perto

Que me sinto em cada vão segredo.

Nunca foi tão bom

Olhar para mim.

 

Queria tocar em tuas mãos

Como quem toca no audacioso

Escuro de pretensões serenas.

 

A tua presença é mais forte

E me entorpece durante toda à noite

E quando raia o dia, quem diria?

Ainda estou a me embriagar

Embebida no teu olhar..

 

Saio da tua casa e sempre

Volto sozinha para o que chamo de lar

 

Drika Duarte

 



- Enviado por: Drika Duarte às 14h07
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





ávida para voar...

meu coração flameja
é tão claro que sinto
minha luz na tua


é árdua a luta de quem cala
sentindo a flor exalada na rua
esquecida nos dejetos da alma
longe da morada bela
vagando sozinha na própria cela.

quanto tempo mais terei que anular
a verdade que quero te ofertar
me diz, porque é preciso esperar?
(e se um dia a vontade passar?)

em qual salão iremos dançar
essa musica solene que toca
no meu coração que bailando te mostra
a vida pulsando no ar
ávida para voar

Drika Duarte



- Enviado por: Drika Duarte às 23h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





Só para atualizar a página

quando meu corpo se congela
sinto medo do frio
parto para o sol
me parto para o dia
me abro para um sorriso longe
que por dentro me seguia.

ao ver fora o que me é dentro
eu não aguento, eu rebento
e cedo à luz que me pertencia.

ainda acho que meu abstrato retrato
contém os sinonimos de uma parceria
o tempo dirá, eu sei, que virará noite este dia
e cairá por terra a luz da minha alegria.

Drika Duarte



- Enviado por: Drika Duarte às 02h51
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





Cada noite que me atropela

me faz querer, ainda mais,

Ser morta por ela...

 

E se morrer for sempre

Um estalo de luz fascinante

Fecho os olhos e morro

A todo instante...

 

Em cada falecimento

Encontro um renascer da vida....

E a lua que abrasa os olhos

De uma fortaleza que transborda águas,

Suores, sorrisos, beijos irresistíveis....

 

Sei que fui levada por uma correnteza,

E talvez não me valha,

Morrer sempre nesse rio

que não sei onde deságua...

 

mas, já disse,

que minha fortaleza transborda águas

ou me afogo, ou me lavo nessas lagrimas

Ruim seria não deixar jorrá-las...

 

Sim, os extremos daquelas amplitudes

me deixaram extasiada...

e sigo sendo o rio dos versos e as palavras

da musica exalada

por uma fortaleza que transborda águas...

 

Drika Duarte

 

 



- Enviado por: Drika Duarte às 08h28
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------







- Enviado por: Drika Duarte às 01h01
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 

meu pequeno verso

desfolhou-se em tristes

pétalas negras

 

 

a cor brasileira

o suor que não se esquece

gritos e ritos

de esperança agreste

 

meu pequeno campo

revesti de sofrimentos tantos

para abrandar a voz

que não me quer calar

 

sei

que a flor que tanto quero

repousa inculta em outro jardim

me abasteço em mim

e provo com a clareza que falta

que as flores são almas desacordadas

e em sono profundo sonham

em levantar as assas e cantar como pássaros

a dor que a sonolência causa.

 

eu inculta de mim também sou.

sou tão pouco que nem mas aqui estou.

 

apenas me absorvo dos sonhos mundanos

que um dia tive.

agora quero levantar as assas

e alçar o vôo dos livres.

       Drika Duarte

 



- Enviado por: Drika Duarte às 15h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 

 

Com a porta aberta  

 

triste fim

uma esperança despedaçou

partiu em mil cacos,

testemunhou

a tentativa de acabar com a solidão

 

tantos corpos

e nenhum transmuta sonhos

como aquele que não se tocou

não se sentiu nenhum calor, nenhum suor

apenas uma gota de lágrima

consola o rosto que esta só

 

tantos sorrisos

e nenhum me acomodou

só consegui sorrir da ironia de saber

que o triste fim já começou

antes mesmo de acontecer

 

eu queria que o negro desses olhos

escurecesse a beleza que ainda resta

 

na aresta tão aberta desse peito

que se presta em deixar uma fresta

pra você entrar, cantar, amar,

e se reencontrar

sem nunca ter estado lá

 

 

Drika Duarte



- Enviado por: Drika Duarte às 23h58
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 

 

Acaso imediato

 

nessas horas de palhaço

prescrevo o meu remédio,

meu tédio inconsolável

de reter o mesmo estágio lamentável

 

onde está a alegria do meu dia

por onde devo passear para encontrá-la

em qual rua ela estaria

em qual casa ela se embala?

 

o lento caminhar quase massacra

esta vida é toda uma procissão

de sacrifícios etéreos de retenção

 

reter o que é livre é um pecado

mais pesado que o de Adão

comer a maçã é tão gostoso

feio é não ter comida na mão

 

Senhores, procurem minha alegria!

dou um sorriso a quem encontrá-la

e um beijo na boca de quem me der

a beleza de uma alegria involuntária !!

 

Drika Duarte

 



- Enviado por: Drika Duarte às 20h39
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





 




- Enviado por: Drika Duarte às 11h21
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





Quando as sombras do meu peito cardíaco

Consumir em milhões de vermes

Teu coração maldito

 

Eu irei florescer,

Como as flores que tão lindas padecem

No amanhecer

 

Quando as farpas relâmpagas

Da lucidez humana

te fizerem ver em frações de segundos

o belo que já se extinguiu

serei eu com a corda no pescoço

me atirando no rio

 

e quando achares que estas só

olhe para o lado e me verás com um sorriso largo

te dizendo : voltei!

 

E não tenha medo de ter medo

Pois serei o peso das tuas costas frias

O pesadelo das tuas noites sombrias

O resto no teu espelho

Com um olhar meio a esmo

Que nunca vai te abandonar

 

E se achares que sou apenas um morto

Sentiras o cheiro do meu corpo apodrecer

Já que vivo desfaleço

Imagine quando eu morrer!

 

 

DRIKA DUARTE



- Enviado por: Drika Duarte às 10h58
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------





O que sei

se eu sempre quis ser e não fui
eu sou algo que posso chamar de falso
eu sou o atalho pra se chegar mais rápido

das coisas todas nada me basta
tudo me pertuba
me induz a  fuga

na cidade, todas as luzes são nebulosas
nada mostra, pela perfeita discrepancia
que existe nos outdors amontoados
disputando os olhares que passam

vejo todos e nenhum!

eu consumo a rosa que nasce
entre o concreto
dela tiro meu ar
meu dia

eu consumo o vento
que entra nos meus olhos com ousadia
sem pedir licença
e me avisa os odores do mundo

nasci
mas não me acho nascida
nascer verdadeiramente
é se achar viva

metade não basta!

o que me move é o ócio
é a vontade de não acordar nunca
é morrer sem saber

eu ainda sei que estou morta

no dia que eu esqueçer que sei
estarei limpa!

 



- Enviado por: Drika Duarte às 22h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

---------------- * ----------------